domingo, 30 de maio de 2010

Uma década.

O poema abaixo é uma réplica ao poema "Boneca" que criei pouco antes da minha prima-irmã completar 10 anos de idade.
Peço desculpas por não poder explicar os motivos do "pranto" citado, ou por algo a mais que se fez incompreensível.
Esse é especificamente a ela... minha vida... minha irmã... Maitê:

"E assim, com uma década enfim vivida
Fez-se ciente de seu encanto
Numa mudança de idade embevecida
Em luz e graça, abafou seu pranto.

De boneca viva a representação de flor
Agora és figura notável.
Em pouco conhecerá a palavra dor,
Cultivando o olhar de menina amável.

Estarei narrando a cada primavera
Um pouquinho do mel que deixa em minha vida.
Pois é adorável falar sobre ela...
Maitê, meu anjo. Sempre doce, querida!"