domingo, 10 de agosto de 2008

Boneca


Boneca viva, criança levada.
Forma esculpida movida a emoções
Futura jovem enamorada
Sepultura doce de corações.

Criança, seus atos levianos
Nos levam a querer ser os teus anjos
E escondidos dos inevitáveis anos
vivemos aguardando seus esbanjos.

Ah, cruel regra da vida, limpa e pura!
Em breve terá completa uma década
Leve os sonhos, esperanças e a doçura
Mas não leve a inocência de boneca!